Novidades e Dicas

VER TODAS
10 Dezembro Bandeja de mudas para fumo

A importância socioeconômica do tabaco para a região Sul do Brasil é indiscutível e as bandejas de isopor para mudas fabricadas pela Termovale, são a inovação da agricultura, agregando maior produtividade, mudas mais sadias, volume de substrato uniforme, rapidez e facilidade no manuseio.
Presente em 556 municípios do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, na safra 2018/2019 o tabaco foi cultivado em 289 mil hectares, por 150 mil produtores integrados. 
Aproximadamente 600 mil pessoas participam desse ciclo produtivo no meio rural, somando uma receita anual bruta de R$ 6,28 bilhões segundo a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra). A produção alcançou 632 mil toneladas, sendo que deste volume 50% foram produzidos no estado do Rio Grande do Sul, 28% no estado de Santa Catarina e 22% no estado do Paraná, gerando também 40 mil empregos diretos nas indústrias de beneficiamento instaladas no País.
Com esses números o Brasil se mantém em destaque no cenário mundial, ocupando as posições de 2º maior produtor mundial e, desde 1993, de maior exportador de tabaco do mundo. Do total, mais de 85% destina-se ao mercado internacional. Clientes de todo o mundo – 100 países – são abastecidos com o tabaco brasileiro. Em 2018, as exportações do setor alcançaram 457 mil toneladas e divisas de US$ 1,99 bilhão/FOB*.
O cultivo de tabaco no Brasil tem como base as pequenas propriedades, em média com 14,6 hectares, sendo que destes, apenas 17% são dedicados à produção da folha. Apesar da pequena lavoura plantada, o cultivo representa 53,2% da renda familiar dos agricultores, segundo a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra). A área restante é reservada para culturas alternativas e de subsistência (33%), criações de animais e pastagens (25%), florestas nativas (15%) e reflorestamento (10%). Segundo a Afubra, 26,6% das famílias que produzem tabaco não possuem terra própria, ou seja, mais de 39 mil famílias desenvolvem a cultura em regime de parceria ou arrendamento.
Ciente desse perfil, há décadas as indústrias de beneficiamento de tabaco incentivam os produtores a diversificar suas atividades, justamente para que não dependam exclusivamente de uma cultura. Por meio de atividades paralelas, os agricultores reduzem seus custos com a alimentação da família e de animais criados na propriedade, e aumentam a renda com a comercialização de excedentes de produção. É uma forma de melhorar a qualidade de vida das famílias e contribuir para que permaneçam no meio rural, reduzindo as chances de êxodo para os centros urbanos.
A indústria do tabaco do Sul do Brasil é composta por empresas de pequeno, médio e grande porte. Estas empresas estão entre as mais sofisticadas do gênero no mundo, utilizando modernos conceitos de produção e equipamentos de industrialização de última geração.


O estado do Rio Grande do Sul, concentra o maior número de empresas, constituindo o maior complexo de processamento de tabaco do mundo. Os estados de Santa Catarina e Paraná, são as outras potências no setor.
A renda gerada a partir da indústria é decisiva nos municípios em que atua por proporcionar, além dos postos diretos em suas unidades industriais, diversos empregos indiretos.